Filha do Latino publica texto reflexivo sobre amor próprio


A atriz Dayanna Maia, filha do cantor Latino, mostrou toda sua sinceridade após publicar uma reflexão sobre corpo, aparência e padrões de beleza. 

"Como eu amo sonhar do meu jeitinho e nunca me sentir distante. Como eu amo me olhar e ver que esses ossos na minha saboneteira, esse cabelo cheio, poucos seios, hoje são tão eu e me representam tanto que há uns anos atrás nem eu diria o quanto gosto de ser tão eu. Sempre haverão mudanças, mas a principal que venho aprendendo é o nosso auto conceito de nós mesmo. É uma beleza tão grande exergar a própria profundidade, poesia, arte... E se aceitar do jeitinho que é. Reflexos externos são meras consequências e são rasos demais", escreveu a morena nas redes sociais.

Recebendo apoio nos comentários, Dayanna decidiu falar um pouco mais sobre sua reflexão, que, para ela, não significa deixar de buscar se sentir bem e bonita. 

"Vivemos em uma era onde todo mundo aparece feliz, bonito, arrumado e aparentemente com a vida perfeita. A tendência é cada vez mais, ao abrir o celular, nos sentirmos cada vez mais derrotados, deslocados, depressivos ou longe demais das nossas metas. Sendo que esse conceito de padrão de beleza já deixou de existir faz tempo entre as mentes mais evoluídas! Bonito mesmo é aquele que se aceita, se acha lindo e se gosta mesmo às vezes sabendo dos próprios defeitos ou pontos a melhorar. A questão é essa: Sempre vão haver mudanças. Naturalmente podemos nos tornar melhores para nós mesmos. Não tem problema nenhum nisso! Só que o importante é esse processo ocorrer de uma maneira saudável, natural, respeitando nossos limites e ao mesmo tempo também parando de olhar só para os nossos defeitos. Somos muito mais do que nos vemos no espelho. Somos homens. Mulheres. Somos desejo. Instinto. Talento. Inteligência. Humor. Somos carisma. Somos muito mais do que temos a oferecer externamente. Por isso que se um dia alguém te elogiar, aceite. Acredite. E não justifique com alguma desculpa do tipo "nossa, mas meu cabelo tá tão ruim hoje". Não existe isso. Todo mundo pode ser bonito quando de dentro pra fora acreditamos e nos sentimos bonitos. É importante ter essa consciência. Mesmo que na prática seja mais difícil. Porque é muito complicado praticar pensar dessa maneira. Mas é mais fácil quando você tenta encontrar a raiz dos seus problemas ou questões. Tenho amigas que não vão à praia. Que não conseguem se relacionar. Não conseguem usar uma roupa justa por serem mais gordinhas ou só usam roupas largas por seres muito magras. Eu mesma já passei por isso. Eu, como mulher, como alguém que vive nessa era onde aparência conta, onde "o que vão achar" conta, infelizmente, vejo que isso vira um contágio. Odeio rótulos, odeio padrão, odeio ter que estar sempre muito arrumada, não me enquadro em muita coisa mas ainda assim, quando me analiso de forma sincera ou em algum papo com amigas, é perceptível que alguns de nossos hábitos ou estilo, manias, seja o que for, acaba carregando sim alguma explicação emocional forte que foi desenvolvida por algum tipo de problema de aceitação com nós mesmos. E isso é grave. No dia que postei essa foto, foi um dia que eu acordei feliz comigo mesma. E reflexiva. Sobre como podemos ser mais profundos, sempre, mas insistimos em nos contentar com o raso. E isso acontece toda vez que o que fala mais alto na gente é somente o externo. E eu me incluo nisso, mas tenho consciência todos os dias que quero ser alguém melhor que esses conceitos. E sempre buscante a profundidade que existe em mim", destaca.


Assessoria
Compartilhe no Google Plus

0 comentários:

Postar um comentário