Governo Temer muda equipe econômica, mas deixa pastas importantes indefinidas

Em reunião no Palácio do Jaburu neste domingo, o presidente Michel Temer tratou principalmente de reforma ministerial. Além de bater o martelo sobre os principais nomes de sua equipe econômica – com Eduardo Guardia no Ministério da Fazenda, Esteves Colnago no Planejamento e Dyogo Oliveira na presidência do BNDES – o presidente discutiu mudanças nas áreas de Minas e Energia, Desenvolvimento, Educação e Ciência, Tecnologia e Comunicações. Segundo participantes do encontro, foi aventado o nome de deputado Carlos Melles (DEM-MG) para suceder Mendonça Filho na Educação. O atual ministro deixará o cargo esta semana para concorrer nas eleições.

Esse também o caso de Fernando Coelho Filho, que sairá da pasta de Minas e Energia para ser candidato. Uma possibilidade é que o secretário-executivo, Paulo Pedrosa, assuma o ministério, mas ainda não há definição. O governo tem especial preocupação com a área de Minas e Energia porque quer tentar concluir o processo de privatização da Eletrobras – que é cercado de resistências políticas – ainda este ano.

Também houve conversas sobre uma mudança no comando do Ministério do Desenvolvimento, atualmente conduzido por Marcos Jorge. Ele era secretário-executivo e assumiu o cargo depois que Marcos Pereira pediu demissão no início de janeiro. Segundo interlocutores do presidente Michel Temer, o governo estuda mudanças no Desenvolvimento porque quer turbinar a agenda de política industrial.

– Já saímos da recessão e temos que pensar agora em políticas produtivas. O problema agora é avançar numa agenda de estímulo à produção industrial – disse um integrante do Planalto

Também foram discutidas possíveis mudanças na pasta de Ciência, Tecnologia e Comunicações, uma vez que o atual comandante, Gilberto Kassab, também sinalizou que poderá sair para concorrer a algum cargo no governo de São Paulo.

FORTALECIMENTO DO BNDES

O presidente conversou com Dyogo Oliveira, que vai deixar o Ministério do Planejamento para assumir o BNDES. O atual presidente do banco, Paulo Rabello de Castro, vai se candidatar à presidência pelo PSC. Ao deslocar Oliveira para a instituição, o Planalto quer fortalecer o BNDES, que tem sido alvo de polêmica na gestão de Paulo Rabello.

Temer pediu que Oliveira direcione a atuação do banco para algumas áreas prioritárias: pequenas empresas, infraestrutura, inovação e comércio exterior. O presidente também pediu que o novo presidente aprofunde o relacionamento do banco com mercado privado. O BNDES não receberá mais recursos do Tesouro Nacional para atuar no mercado e assim terá que buscar outros instrumentos de captação de recursos.

– A ideia é jamais ficar dependente dos subsídios do governo – disse um integrante da equipe econômica.

O GLOBO



source https://www.blogdobg.com.br/governo-temer-muda-equipe-economica-mas-deixa-pastas-importantes-indefinidas/
Compartilhe no Google Plus

0 comentários:

Postar um comentário