Reconstituímos os momentos anteriores ao desaparecimento de Yasmin Lorena, na Redinha

por Dinarte Assunção

O pavor e o medo se abateram sobre a Rua José Acácio, encravada no meio da Redinha, na comunidade da África, desde a quarta-feira, 28, quando Yasmin Lorena, 12, desapareceu.

Em contato com a reportagem, a família supõe que ninguém da rua sabe o que houve. “Estava todo mundo dentro de casa”, explicou um familiar de Yasmin.

Passavam das 13h. Chovia.

A garota vestia uma blusa branca e um short preto, quando comunicou ao avó que iria sair.

– Para onde?

– Pagar o detergente – respondeu Yasmin, que recebera de sua mãe a ordem a para ir quitar o produto na casa de uma amiga da mãe.

Ela colocou 50 reais no bolso do short e saiu de casa. Nunca mais foi vista.

São poucos passos entre a casa dela e a casa para onde ia, explicou o familiar que conversou com a reportagem. Como nunca chegou ao destino final, a ação de desaparecimento da garota se deu nesse curto espaço físico.

Os amigos e familiares descartam que a garota tenha desaparecido por vontade própria, como se tivesse fugido, pois não é de seu temperamento.

A família só notou que algo estava errado quando a mãe ligou para a amiga para perguntar por Yasmim e ouviu que a garota sequer tinha passado por lá.

Inconsolável, a mãe da garota, Ingrid Silva, não tem comido e tem atravessado os últimos dias à base de medicamentos.

Desde a quarta-feira, 28, data do sumiço, familiares e amigos já fizeram buscas em toda a Redinha em busca da garota ou pistas que levem a ela. Nenhuma das buscas deu resultados.



source https://www.blogdobg.com.br/reconstituimos-os-momentos-anteriores-ao-desaparecimento-de-yasmin-lorena-na-redinha/
Compartilhe no Google Plus

0 comentários:

Postar um comentário