HOMEM É PRESO APÓS ATACAR MULHER EM ASSU-RN E CONFESSA;" TENHO DISTÚRBIO QUE PROVOCA A VONTADE DE FAZER SEXO SEM CONTROLE"

Nas últimas 72 horas, a POLÍCIA CIVIL de Assú registrou a ocorrência de 03 (três) graves fatos de violência contra mulheres, na região do Vale do Assu.
No domingo (28), a equipe de Policiais Civis de plantão na cidade de Assu foi comunicada de um possível crime de estupro praticado por um pai, contra a própria filha, fato esse que perdurava desde que a adolescente, hoje com 17 (dezessete) anos, tinha 09 (nove) anos de idade. 
O suspeito faleceu no início da tarde de ontem (30), após se envolver num acidente de automóvel. Indícios preliminares desse acidente apontam para suicídio, diante dos relatos de que o suspeito teria jogado seu veículo contra um caminhão de transporte de combustíveis, após tomar ciência que os fatos estavam sendo apurados pela Polícia Civil e que a menor estaria colaborando com as investigações.
Na noite da segunda-feira (29), na área urbana da cidade de Assu, a Polícia Militar foi acionada e conseguiu prender, em flagrante delito, a pessoa de DANYEL GLEYDSON BEZERRA FONSECA, pelo crime de “importunação sexual” (Art. 215-A, do CPB), após ele ter atacado uma mulher em via pública, colocando a mão dentro da calça dela com fins libidinosos. A vítima reconheceu o agressor que, preso, confessou o crime e afirmou que possui “distúrbio” que provocaria a vontade de fazer sexo sem controle e atacar as mulheres, além de se masturbar em vias públicas. Após o fato, diversas notícias de ataques sofridos por mulheres da cidade, inclusive tentativa de estupro, todas apontando DANYEL GLEYDSON BEZERRA FONSECA, chegaram ao conhecimento da Polícia Civil, sendo que nenhuma outra vítima procurou a autoridade policial para responsabilizar o infrator.
Já na terça-feira, na zona rural da cidade de São Rafael, foi noticiado, informalmente, um suposto sequestro e tentativa de homicídio praticado por um homem contra sua ex-namorada, tendo ele amarrado a jovem num lugar ermo e a deixado lá, desmaiada, para morrer. Os fatos chegaram ao conhecimento da Polícia Civil por meio de notícias em redes sociais e serão melhores apurados a partir de agora, em todas as suas nuances.  
A Polícia Civil pede para que continuem colaborando com informações e denúncias, através dos telefones 99992-2122 e 98155-2956.


Compartilhe no Google Plus

0 comentários:

Postar um comentário