Cidade espanhola sofre com a falta de Paracetamol e Omeprazol, entenda

Medicamentos básicos estão em escassez na cidade de Granada, na Espanha. De acordo com o jornal local, Granada Hoy, isso se deve á alta demanda e que está tornando impossível para laboratórios conseguirem preencher todas as encomendas. Ao todo são 70 medicamentos que estão em falta, além do Paracetamol e Omeprazol como apurou o Diário Internacional Potiguar

Veja a matéria na integra

 RPO. GRÁFICO: ALBA PUGA E G. H.
Farmácias estão "congeladas" devido a ausência de 70 medicamentos

Eles denunciam que os laboratórios com contrato com a Junta daquela cidade não estão preparados para suprir a demanda de produtos, alguns deles destinados a patologias graves.

O omeprazol, Ginecanesten, Emobas, Lanirapid, Loed, rectal Madidon, Minitran, mirtazapina, Nuril, creme Onelin, Paracetamol um grama, paroxetina, pentoxifilina, pravastatina, rosuvastatina, Alprazolam, atenolol, Aterina, Bactroban pomada, Benadon, Cafinitrina, Dalsy , Diazepam, Diemil, Dolalgial, Elorgan, Seguril, Sibilla, Solinitrina, Stilnox, Timolol. Todas essas drogas adicionadas a outras, para completar uma série de 70, são drogas quase impossíveis de acessar farmácias em Granada.

Tanto estes como os do resto do território andaluz(Espanha) enfrentam um problema comum: a escassez de produtos após o último leilão da Junta de Andalucía em agosto que é uma espécie de contrato que a prefeitura faz com laboratórios.

CB, que é o proprietário de uma farmácia na capital, confirmou esta informação fornecida pelo Conselho Andaluz de Faculdades Oficial de Farmacêuticos e Centro de Informações sobre Drogas de Granada. "A falta de medicamentos nas farmácias Granadinas acontece desde o ano passado, mas este verão está aumentando consideravelmente,".

Pelo que tomamos conhecimento a escassez de alguns medicamentos é algo que geralmente acontece nas farmácias daquela cidade e pode ser devido a uma quebra de estoque em que o laboratório não tem conseguido preencher todas as encomendas, mas esse último caso é algo que não tem precedentes, explica o jornal,

Esta escassez geralmente tentam preparação pedindo a droga que é vendida a outro laboratório, por exemplo Normon, mas como dizem as fontes, este remédio também é outro problema: a primeira falta cria um outro 'recurso' de laboratório, porque não ele está preparado para receber tantas ordens, então também vê seus suprimentos empobrecido se você tem que assistir a uma região autónoma como Andaluzia sem aviso prévio.

O Conselho, por meio de leilões que ocorrem a cada dois anos, vem incorporando novos medicamentos em cada concurso, obrigando os médicos a prescrever por substância ativa de preferência, não por marca, como acontece no Brasil. 

Um grande impasse surgiu pois os farmacêuticos de Granada obedecem a leis e regras duras onde são obrigados a vender produtos que estão em uma lista nominal e, pelo que indica, por marca e as vezes medicamentos por vendidos pelo princípio ativo, como é o caso dos genérios do Brasil, não figuram nessa lista e acabam por ser proibidos de vender. E isso é grave. 

Os farmacêuticos estão buscando uma alternativa para resolver essa problemática e de uma vez por todas acabar com a constante escassez de medicamentos.

Com informações de Granada Hoy |
Editor de Saúde | Turismo | Cotidiano | Inovação: Willen Moura


Compartilhe no Google Plus

0 comentários:

Postar um comentário